segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

#68 - ESCREVER




ESCREVER sem o verniz do vernáculo, sem o obstáculo do disperso, envernizando ESCOMBROS. Infernais excrementos num vórtice de tornados mexicanos e seus desassombros. Modernos. Anos de invernos de olhares ternos.  ESCREVER é EXCRETAR. EXPURGOS. SKULLS.................. ESCREVER STRIPPERS still spinning on an axis, sexy girls squirming like a toad. WRITE IS A ROAD. Redemoinhos, belos como dos seus cabelos de noites febris. A beleza não está numa Miss. A beleza já não é uma miss. É um Mississipi bravio e os gritos negreiros. ESTEIROS. ESCREVER ESQUIMÓS ESQUÁLIDOS, mas cálidos de transpirações ferinas.  ESQUINAS. EXTORSÕES. ESTUPROS. ESTORVOS, ESQUISTOSSOMOSE, ESCARLATINA. ESCAMAS. ESPUMAS.  Novos estados entre o líquido e o gasoso. ESPOSOS. ESCREVER e ver vertentes de vergonhas latentes, vertigens, Vertov, Joris Ivens. ESQUERDAS. EXPANDIR. ESCREVER é ver-te em mim. SPLEEN. EXPOR. ESCREVER é EXPOR-SE. EX-NAMORADAS intermináveis de palavras. EXTERMINÁVEISESCREVER é namorar ex-namoradas. É recuperar a cor do vento nos olhos teus. Entristecer mas destecer a escrita de estetas de tetos solares e discretas hipocrisias. ESCREVER e ver a beleza na leveza ave lo cidades de infelizes folias. ESCREVER ESTRIAS. ESPINHAS, ESCORIAÇÕES, ESCABECHES, ESQUIVAS, ESGRIMAS, ESQUELETOS. ESPERAR, ESPERAR como árvore, mesmo sem frutos. ESCREVER É ESPERAR. ESTOURAR plástico-bolha. ESTOURAR folhas. EXPLODIR rolhas e embebedar-se de etéreas ESCOLHAS. ESCREVER ESCORAS para as horas. ESCREVER e verter das trevas a vez da tristeza como realeza. O mar que bate na pedra já não é mais turquesa. Melancolias lidas de Íliadas de iras burguesas. ESTOCOLMO, ESTRASBURGO, ESBJERG, STRESA. ESCREVER CIDADES. STEAL SKILLS, SPEARS, despairs, SPARES. WRITE IS A STARE. 

EXPULSAR DEMÔNIOS. ESCAMBO. SCREAMS. ESPADAS. ESCREVER ESPANHAS. ESCREVER ESCRAVOS. SLAVES. SLAVOS. ESCRAVATURA. ESCRAVAGEM. ESCRAVISMO. ESCRAVAGISMO. ESCRAVARIA. ESCRAVOCRATA. ESCRAVAGISTA. ESCRITA. ESCRAVIDÃO.
 ESCURIDÃO
(“Faz escuro, mas eu canto”) ESCREVER é EXPORTAR sentimentos para os países do outro. ESLADROAR. ESCREVER É ESTELAR. Por isso ESCREVO centelhas e não sintaxes desde os 10 anosESCREVER verdes desterros sem erros e com gerânios. ESCREVER É SUBTERRÂNEO. escrever é esquecer.

2 comentários:

  1. A beleza já não é uma miss. É um Mississipi bravio(...)

    que isso, o novo gil scott heron? :)
    seria demais se vc fizesse uns videos de spoken word pro blog. e depois, palco..

    ResponderExcluir
  2. hahaha... Obrigado pela comparação. Ainda mais por ele ser negro e fazer esse lance dub. A sua opinião é das mais valiosas não só pela importância que tem na minha vida, mas por ser uma poeta melhor que eu. Mas gosto de escrever coisas mais concretas, que embora sonoras, acho que são feitas pra ser lidas. E putz, é triste ter que subir num palco pra poder publicar um poema. Queria me eximir disso, não queria aparecer mais do que apareço já nas palavras. Mas enfim, gosto da ideia do spoken word. Já gravei, mas acho que é muita exposição pra pouco leitor. Gostaria de musicar algumas coisas, mas precisaria de um músico... ;)

    ResponderExcluir