sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

#66 - Plexo



Talvez com
Gosto de nêspera
Talvez inespera-
damente
Talvez na véspera
Talvez com vespas
Zunindo no peito
No lugar do coração

Talvez com
Gosto de alcaçuz
Talvez assus-
tadamente
Talvez em Alcatraz
Talvez com albatrozes
E mares azuis desfeitos
No lugar do coração.

Talvez com
Gosto de tâmaras
Talvez emara-
nhadamente
Talvez na cama
Talvez com campânulas
Brotando sem jeito
No lugar do coração.

Talvez com
Convosco
Talvez com
Enrosco
Talvez sem
E semblantes
Espoquem
Ao amanhecer
Talvez com ou sem
O consentimento
Seu
E um sentimento de breus

Façamos um filho chamado sol

E nada mais,
E descanse à sombra o amor apagado das horas tais.

4 comentários:

  1. espero que não sido preciso sofrer para escrever coisas assim tão simples e bonitas

    ResponderExcluir
  2. É, meu caro, pelo visto quer continuar sofrendo.

    ResponderExcluir
  3. Pelo visto, o Anônimo não só tem medo de aparecer, quanto de sofrer, ou de fazer aparecer seu sofrimento, ou será tudo licença poética?

    ResponderExcluir
  4. licença poética, sem dúvida, boa resposta, para quê dramatizar ;)

    ResponderExcluir