segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

#67 - Sessenta

                                        Cordobazo, 1969




Eu não vivi em sessenta/ Mas sei como se inventa/ Com uma aguerreação emergencial/ Uma revolução social/ Basta ressuscitar a tal/ Sucuri-jugular/ Que engole o jugo do não-lugar/ Enquanto dirigíveis sobrevoam utopias/ Vomitar rios de sangue/ Evocar a água do mangue/ para que alague o gulag da alforria/ De um Fourier furioso com o auto-falante/ De seus falanstérios/ Que era mono e não estéreo/ O estereótipo de um homem livre hoje tem botões de comando/ Na blusa digital de domingo/ (Please click UNDO)/ Enquanto desbotam os flamingos/ Sob o sol que iluminou Vladimires/ (Y tu que ilumino, aunque no me mires?) E a minha íris/ Enxerga prato onde é pires/ Pato onde é patrão/ Poeta em poente, porém em porão/ Mas dirão/ Que não há revolução preso ao pensamento do século das luzes. Perguntam para quem escrevo se cito autores de Uzès? Não me acuse/ Pois enquanto você precisa de Uzis/ Ou cruzes/ Eu tenho mais olhos que o Doutor Mabuse/ E não use/ Câmeras como fuzis/ Porque um fusil não acerta um perfume/ O teu sonho é o cume, mas o meu é o lume/.Eu acredito que um homem voa, mesmo implume/. Ele fez cinema porque viu Blow Up/. Você porque fez Faap/. E eu tento no rap/ sem que a imagem desse deserto me escape/. Sorve o sol a galhardia dos dias seguintes/ E o presente com os seus acintes/. Eu não vivi em sessenta/ Tenho pouco mais de vinte/ Não assisti La hora de los hornos/ Não fiz piquete na aula do Adorno/ Mas se escrevo é porque sou quente, ou pelo menos, morno.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

#66 - Plexo



Talvez com
Gosto de nêspera
Talvez inespera-
damente
Talvez na véspera
Talvez com vespas
Zunindo no peito
No lugar do coração

Talvez com
Gosto de alcaçuz
Talvez assus-
tadamente
Talvez em Alcatraz
Talvez com albatrozes
E mares azuis desfeitos
No lugar do coração.

Talvez com
Gosto de tâmaras
Talvez emara-
nhadamente
Talvez na cama
Talvez com campânulas
Brotando sem jeito
No lugar do coração.

Talvez com
Convosco
Talvez com
Enrosco
Talvez sem
E semblantes
Espoquem
Ao amanhecer
Talvez com ou sem
O consentimento
Seu
E um sentimento de breus

Façamos um filho chamado sol

E nada mais,
E descanse à sombra o amor apagado das horas tais.