segunda-feira, 24 de outubro de 2011

# 65 - Oak Dreams


Para meu avô, Edison.

A morte é um tronco grande de carvalho que vovô derrubou quando eu era menino. Um tronco grande que depois de morto morou seco e imóvel no meio do jardim, abraçando-se à vida úmida ainda pulsante das flores e da grama incólume. Um tronco de carvalho que ao longo do tempo abrigou cupins, formigas e alguns esquilos no inverno gelado de 1932.  Foi dele que vovô retirou a madeira para o atinado caixão do biso Guillermo, que veio a falecer antes que nascesse minha Aurora. A morte é um tronco grande de carvalho que vovô derrubou quando eu era menino. Um tronco grande do qual papai fez aquele banco em que sentamos todos os sete, eu, ele, mamãe, Lucas, Rudolph, Zoca, e a prima Nina que se aconchegou do meu lado (com seus shorts rosado curtíssimo) numa foto tirada pelo Denver num verão antes da Guerra. Um tronco grande de carvalho do qual eu (querendo arremedar as habilidades da marcenaria de vovô e papai) fiz desconfortáveis assentos para o balanço de Cora. Ela que no auge da sua infância lançava-se ao vento sem que seus cabelos soubessem algo sobre os bombardeios. A morte é um tronco grande de carvalho que apodreceu durante décadas no velho terreno do Sul que herdei de papai. Uma terra fértil, e que me deu o sustento de filhos e netos, terra dos pungentes carvalhos robles, que sob suas sombras, derrubei-me numa tarde de outono e nunca mais levantei.   



                                         Dave Matthews - Gravedigger (Willie Nelson)

5 comentários:

  1. Foi assim que lembrei do meu avo
    Qndo vi com esses meus olhos
    que pouco se viu da vida
    ele atras do balcao da antiga farmacia,
    que ainda conserva o ph do antigo portugues
    fazendo soar som de efe
    vendendo Biotonico fontoura, grande vilao da anemia.
    Foi assim que lembrei do meu avo

    Belissimo, no momento, ate hoje. VOce fez duas obras de arte, essa foi a segunda!

    Grande Abracos, ainda torco para que o mundo ouca sua voz. A minha esta arranhada, ja nao tenho mais desejo de escrever, no entanto, dou espaco ao som que faco ecoar.

    Evo Jovem Artista

    Ingo

    ResponderExcluir
  2. suas poesias me matam um pouco. digo poesias porque mesmo quando são crônicas, contos ou prosas, ainda são poesias. mas também, o que é a morte além de poesia? acho justo que a poesia retribua a essa fonte inesgotável que a alimenta constantemente, com um pouco de morte.
    obrigada pela morte que me concedeste. recebo-a de bom grado e de coração aberto.

    ResponderExcluir
  3. Li no facebook, entao nao tinha dado conta do titulo. Stellenbosch ficou conhecida como city of oaks, que um tal simon van der stel plantou pra decorar a cidade. E quando vi a foto aqui no blog pensei logo na rua principal daqui. Que coisa. Beijos :)

    ResponderExcluir
  4. Realmente muito bonito esse texto... Não gosto de opinar, mas se eu fosse você, preservaria, de alguma forma este tronco de carvalho, mesmo que isso só fosse possível na sua imaginação e, posteriormente, no seu legado.
    Muito bom mesmo, passei a seguir seu blog.

    Abraços,
    Ale.
    http://ordem-natural.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Procurando a imagem de um carvalho, encontrei a "imagem" de uma história.
    Lindo texto.
    Fiquei.

    Abç
    Rossana

    ResponderExcluir