sexta-feira, 22 de julho de 2011

#62 - Calle Sarmiento


Para Thâmara Malfatti.  

Bela norteña dos olhos de azeviche. Mais negros que o piche. Com a fragilidade do olhar de Lillian Gish. Mais humilde e bela que a porteña soberba de sobrenome Cavendish. Eu lia Jabès traduzido, enquanto você cantarolava em íidiche. Sabe que eu não gosto de queijo, mas aceito um beijo seu com gosto de chancliche.  Carrega no olhar a ternura de Ernesto Che. Comigo de San Nicolás a Almagro a pé, sem coche. Y tu fija, callada, enquanto eu balbucio palavras aladas. Que tudo mais se lixe. Se pra mim, teu olhar se espiche. E a história cochiche com a estrada. E capriche num fim nosso de mãos dadas.