terça-feira, 8 de setembro de 2009

#19 - Aos de Horizonte Ondulado


Saldade é saudade do sal que nos arde Escrevo sem alarde Antes q´me alague de tanta saudade. Escrevo e me atrevo um bocado Grito aos deslinguados de horizonte ondulado Fica ligado To do teu lado e não to desse Desce a catraia da solidão de alguém que me lesse De Vicente de Carvalho ao Mercado Ai se tudo alagasse de palavreado embolado aos homensuados por Deus Iletrados Irados Quem tem horizonte ondulado saca só qual é o recado Quem tem pé molhado e sabe que o mar e areia nunca ficam brigado, Mesmo depois de um pelo outro ficar destroçado, Mano tem pulso firme, mas olhos marejados E sabe que o encontro delicado Da rima com o outro que não teme Vale mais que qualquer arte que se expreme Nos doutorado. Azul vermelho, laranja, amarelo, dourado. Barcos coloridos, mas um mar descorado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário